Sócio Torcedor usa modelo de cobrança recorrente para gerar suporte financeiro

O modelo de negócios com pagamento na forma de cobrança recorrente vem beneficiando empresas dos mais variados segmentos. Agora, até mesmo os clubes de futebol estão tirando proveito desse modelo. Aplicando a cobrança recorrente ao programa de sócio torcedor, alguns clubes estão conseguindo aumentar ou estabilizar sua receita.

O que é o Programa Sócio Torcedor?

Com esse programa, os torcedores pagam uma mensalidade para apoiar financeiramente o time, enquanto ganham benefícios como descontos em compras de ingressos para jogos, merchandising do time, materiais esportivos e até bebidas. A ideia é oferecer vantagens o suficiente para que o assinante considere interessante se tornar um “patrocinador” de seu time.

O programa sócio torcedor representa uma excelente oportunidade de oferecer um serviço de qualidade agregada aos torcedores, ao mesmo tempo em que os clubes acrescentam uma nova fonte de renda ao seu negócio. Porém, é preciso muita organização administrativa para que os programas continuem funcionando de maneira apropriada. E essa renda precisa ser aplicada corretamente, de acordo com a proposta do Movimento por um Futebol Melhor – para oferecer uma estrutura melhor aos clubes e às equipes.

Qual a situação atual do Programa Sócio Torcedor?

Atualmente, 60 clubes participam do programa de sócio torcedor, somando um total de 890 mil associados no país todo. Financeiramente, isso representa uma injeção de aproximadamente R$200 milhões na economia do futebol nacional. Junto com as bilheterias de partidas, essa já é a maior fonte de renda dos clubes que aderiram ao programa.

O clube de futebol com maior número de assinantes do programa sócio torcedor é o Internacional. Segundo dados recentes, ele tem cerca de 137 mil participantes inscritos no programa e chegou a faturar R$41 milhões no ano de 2014, entre a receita deste programa e os lucros de bilheteria.

O Palmeiras também está obtendo bons resultados e durante os dois primeiros meses de 2014 conseguiu reunir 36 mil novos associados. Com isso, o time paulista superou a marca de 100 mil participantes no sócio torcedor, chegando bem próximo do Internacional.

Dificuldades do Palmeiras

Porém, não basta ter muitos associados; é preciso que o lucro seja vantajoso também. E, neste quesito, o Palmeiras está ficando para trás. A explicação para este fenômeno está na maneira como cada time precificou seus pacotes de sócio torcedor.

O Palmeiras criou uma faixa de preços bastante extremista, variando de apenas R$9,00 até mais de R$590,00. Enquanto isso, os pacotes do Internacional são mais concentrados em uma faixa de preços mediana e acessível, que vai de R$15,00 a R$85,00. Assim, o Internacional consegue distribuir melhor a quantidade de assinantes entre todos os pacotes, enquanto a massiva maioria dos assinantes do Palmeiras opta pelos pacotes mais baratos. O resultado é uma queda na lucratividade.

O Palmeiras é, atualmente, o terceiro clube com maior quantidade de assinantes do sócio torcedor no país. Porém, ele fica apenas em quinto lugar no ranking de rentabilidade do programa. Além do Internacional, também o Grêmio, Flamengo e Cruzeiro estão alcançando receitas que ultrapassam os R$35 milhões ao ano com esta iniciativa.

Inadimplência no Programa Sócio Torcedor

Porém, mesmo para o Internacional, existem dificuldades a serem superadas. Dentre os seus assinantes, mais de 20 mil não estão em dia com os pagamentos do programa. Isso afeta a receita e ainda representa um custo, pois é necessário um esforço extra do clube para coletar o pagamento dos sócios inadimplentes.

É por isso que, embora o conceito por trás do programa sócio torcedor seja excelente, ele depende de uma estrutura eficiente de pagamentos recorrentes para funcionar de verdade.

 

Quer saber mais sobre pagamentos recorrentes, e como você pode aplicar esse modelo ao seu negócio? Então continue acompanhando o Blog da Vindi.