Connect with us

Cases

Melhores campanhas de Black Friday que você precisa conhecer!

Published

on

melhores campanhas de black friday

A Black Friday é uma ótima oportunidade do ano para inovar nas campanhas publicitárias. É o que provam algumas empresas que já protagonizaram algumas das melhores campanhas de Black Friday e viram suas vendas aumentarem (até acima do esperado) no período!

Como nessa época os clientes estão mais atentos às oportunidades de compra, as campanhas precisam não só trazer “descontos”, mas se destacar dentre a concorrência. Então, separamos alguns cases de sucesso de Black Fridays anteriores, para você se inspirar nas ideias!

Dafiti

Em uma de suas melhores campanhas de Black Friday, a Dafiti, e-commerce brasileiro de vestuário e calçados, associou a palavra “Black” (preto) às demais cores das peças de roupas, criando uma “promoção colorida”. Isso gerou um dia promocional para cada cor de roupa: 

  • White Monday (segunda-feira branca);
  • Blue Tuesday (terça azul);
  • Red Wednesday (quarta vermelha);
  • Yellow Thursday (quinta amarela);
  • Black Friday (sexta preta).

No fim, a ideia garantiu uma semana completa de vendas para a Dafiti, não só a sexta-feira da Black Friday.

Agora, veja o vídeo da campanha dessa ação, que foi divulgada no Youtube:

Netshoes

A Netshoes, que vende artigos esportivos, gerou uma Black Friday com nome próprio. Foi algo relacionado ao universo da marca: “Sport Friday”, com descontos de até 70%. Segundo a Exame, com essa ação, a empresa dobrou o número de vendas para novos clientes e teve 60% a mais de tráfego em relação à edição anterior do evento. 

Veja a campanha:

Magazine Luiza

O Magazine Luiza é sempre um dos protagonistas da Black Friday brasileira. Em 2017, por exemplo, a companhia trabalhou com a curiosidade do público em uma ação online envolvendo “caixas surpresa”. Nela, foram anunciadas caixas com preços diferentes, com valores entre R$29,00 a R$999,00, que as pessoas comprariam sem saber qual era o produto.

Como havia apenas 90 caixas de cada preço, as pessoas compraram pelo impulso e confiança na marca. Depois, os produtos correspondentes realmente valeram a pena: de cafeteiras a smartphones, TVs 4k e outros eletroeletrônicos, as ofertas deram certo e agradaram o público.

black friday magazine luiza

Kopari Beauty

A marca de cosméticos naturais Kopari Beauty, de origem filipina, tem forte presença no Instagram e, em uma de suas campanhas de Black Friday, usou toda a potência das influenciadoras digitais para vender mais. E, além disso, incentivar os consumidores a já adiantarem suas compras de Natal na ocasião.

Então, a Kopari compartilhou listas de presentes criadas por influenciadores que mencionam seus produtos. Isso deu aos compradores inspiração para presentear, bem como prova social dos influenciadores que garantem produtos “essenciais”.

kopari black friday

McDonalds e Burger King

As duas marcas de fast food já são conhecidas por se “alfinetarem” mutuamente na Black Friday. Até mesmo envolvendo o KFC e o Giraffa’s, as marcas divertem o público nas redes sociais. Isso acontece principalmente no Twitter, com respostas irônicas ou provocativas entre os concorrentes. E, claro, tudo gera alta visibilidade para as campanhas através da viralização dos tweets.

Quando um tipo de oferta é anunciada por uma das marcas, as outras seguem o fluxo e fazem algo similar. Assim foi quando o BK ofereceu um combo com um balde enorme de batatas fritas e os demais também prepararam ofertas “gigantes”. Quem ganha são os consumidores! E claro, as redes de fast food também faturam alto!

Conclusão

Por fim, além dos exemplos das melhores campanhas de Black Friday, preparamos abaixo um resumo das principais dicas estratégicas usadas por essas e outras marcas:

  • Nome próprio e chamativo: nomeie sua campanha unindo elementos de Black Friday a algo relacionado ao universo da sua marca, como foi o caso da “Sports Friday” e outras;
  • Redes Sociais: aproveite o engajamento do público nas redes sociais para lançar conteúdos criativos que direcionem para sua página de ofertas;
  • Além disso, se possível, crie parcerias com outras marcas para interações e divulgação mútua nas redes sociais;
  • Você pode disponibilizar uma landing page exclusiva para as ofertas de Black Friday, para facilitar que seu público encontre todos os itens em promoção;
  • Influencers: se sua marca combina com o uso de influenciadores, aproveite essa tendência para converter mais clientes;
  • Podem ser feitas com eles lives de ofertas exclusivas, wishlists e outras ações diferenciadas com os influenciadores;
  • Aproveite a prova social de seus melhores clientes e influenciadores: reviews, vídeos de uso dos produtos, e divulgação espontânea;
  • Não se esqueça também de usar a Cyber Monday, após a Black Friday, para oferecer mais descontos para o seu público.

E aproveite a Black Friday da Vindi, a melhor plataforma de pagamentos do mercado, para implantar essa solução no seu negócio com descontos imperdíveis! Corre para conferir:

vindi business friday banner blog 768x341

Imagem: freepik – www.freepik.com

Continue Reading
Click to comment

Cases

Startup IVY recebe investimentos: produtos de limpeza por assinatura

Published

on

ivy limpeza

Aqui no blog Cobrança Recorrente, você acompanha diversos cases de sucesso sobre Clubes de Assinatura, que utilizam a Economia da Recorrência para extrair o máximo potencial do mercado.

A resiliência do setor é notável – só neste ano, o faturamento dos Clubes de Assinatura cresceu 10%, como apontou o Valor Investe

Fundada em 2018, a startup de produtos de limpeza IVY é um exemplo de clube que está cada vez mais em destaque e que recebeu recentes investimentos. A startup é um spin-off da TerpenOil, empresa fundada em 2007.

O carro chefe da empresa é a sustentabilidade: embalagens compactas, lembrando o formato das cápsulas para máquinas café. Elas contém a mistura seca para produtos de limpeza e economizam cerca de 90% do tamanho dos frascos. 

Segundo o co-fundador Marcelo Ebert, a forma tradicional de comprar e consumir esses produtos não fazia o menor sentido: 90% do conteúdo deles é água, o que gera uma enorme quantidade de plástico.

ivy

Para usar o produto, basta o cliente encaixar a cápsula no borrifador da marca, misturar com água e pronto! Imagem: IVY

Além disso, os ingredientes dos produtos da startup fogem da enorme lista de sulfatos e saponificantes. A marca usa apenas compostos naturais, como o terpeno, extraído da casca de laranja.

Dessa forma, a YVY nasceu pensando em oferecer a entrega de produtos de limpeza ecológicos, multifuncionais e que facilitam a vida das pessoas. 

No ano passado, o co-fundador da IVY, Marcelo Ebert, participou do evento Recorrência, realizado pela Vindi. Assista e conheça mais sobre a história da empresa e como eles chegaram até aqui:

Modelo de negócios da IVY

Os produtos IVY vão desde desinfetantes até lava-roupas, lava-louças, multiuso e outros. Portanto, o assinante deve escolher o kit que mais se adequa às suas necessidades, que varia com a quantidade de cápsulas.

O menor kit começa pelo valor de R$62,90, com 9 cápsulas variadas. Chega a R$164, com 28 cápsulas. Dentro dessa quantidade, o comprador pode escolher a distribuição das cápsulas por tipo de produto e montar seu kit. 

O modelo da IVY é de assinaturas, ou seja, paga-se o valor mensalmente e recebe-se os produtos em casa, podendo cancelar a adesão a qualquer momento, sem multa.

Em 2019, o faturamento da empresa chegou a R$ 1 milhão. Mesmo com a crise, ela apresentou números de crescimento. E assim chegou a 4 mil assinantes em todo o país até hoje, segundo dados da empresa.

A IVY cobra dos clientes pela plataforma Vindi, especializada no modelo de pagamentos recorrentes como o de assinaturas usado pela startup.

Mensalmente, a plataforma dispara a cobrança para o cartão de crédito cadastrado do cliente. Ou emite o boleto, se essa for a forma de pagamento escolhida. Dessa forma, a automação da cobrança reduz os níveis de inadimplência dos clientes. Além disso, traz a desejada praticidade na rotina dos usuários.

banner blog institucional vindi 01 4

Investimentos

A startup IVY recebeu um aporte de R$ 3 milhões na sua primeira rodada de investimentos, divulgada na última semana. A rodada teve a participação de Gustavo Roxo (ex-BTG Pactual), Paula Nader (ex-Santander) e Marcos Angelini (CEO da Red Bull na América Latina).

Com o aporte, o CEO Marcelo pretende colocar mais fichas em frentes já testadas e que geram resultados para a empresa. Também quer lançar novos produtos, investir nas embalagens e no marketing digital. 

Além disso, a empresa, que atualmente só vende online, cogita abrir pontos de venda físicos no futuro. Provavelmente isso acontecerá junto a outros parceiros. Por fim, eles estão trabalhando em prol da meta de atingir 5 mil clientes até o final do ano.

Uma história bastante inspiradora, né?

Tenha a Vindi como parceira do seu negócio também! Fale com os consultores e comece a vender pela recorrência!

 

Continue Reading

Cases

Vindi lança canal para fazer reviews e unboxing de clubes de assinatura

Published

on

A Vindi, plataforma de pagamentos recorrentes lançou um canal muito especial, onde avalia e faz unboxing de kits de clubes de assinaturas. Batizado de “Recebidos da Vindi”, o canal irá contar com a própria equipe da Vindi na abertura e avaliação dos produtos.
Acompanhe o primeiro vídeo do Moka Clube.

Continue Reading

Artigos

NYT atinge 308 mil novos assinantes usando recorrência

Published

on

Pensar em recorrência, de cara, remete às gigantes do mercado de Assinatura como Netflix, Salesforce e etc. Mas, na Vindi essa questão do consumo recorrente foi resgatada pelo Rodrigo, nosso CEO, lembrando dos primórdios da recorrência, quando – talvez – nem se falava em automação de cobranças ainda.

Em uma apresentação, ele citou a entrega do leite na porta de casa como uma venda recorrente cujos “prestadores de serviço” recebiam do cliente ao fim de cada mês. Se, por um lado, a recorrência de produtos começou com o leite. Por outro, no mundo da informação ela começou (ou teve participação efetiva) com o The New York Times.
É provável que todos já tenham ouvido falar do NYT, mas é um veículo fundado em 1851 nos Estados Unidos com publicações diárias na cidade de Nova Iorque (ou Nova York, os linguistas ainda não chegaram a uma pronúncia definitiva).

O caso é: O The New York Times é o segundo jornal com maior circulação nos Estados Unidos e o 39° do mundo, tem o maior número de prêmios Pulitzer entre todas as agência de notícias e é um jornal de referência para boa parte dos cidadãos americanos. Mas, nada disso impediu que ele entrasse para o limbo da crise na comunicação.
Queda nas tiragens de jornal impresso, vendas na metade do preço, demissão em massa e até perda de credibilidade estão entre os momentos colecionados pelo New York Times nos últimos anos.
Mas, uma boa notícia:
“O jornal conquistou 308 mil assinantes em três meses, o que configurou o melhor índice de crescimento do veículo no cenário digital.”
O veículo passou a ser, também, digital em 1996 e o portal recebe leitores de todos os lugares do mundo. Em 2010, como uma saída para a crise, o The New York Times resolveu começar a cobrar dos visitantes o acesso para leitura. O veículo oferece assinatura a partir de três diferentes planos:

Vindo do mundo da comunicação, posso afirmar que esses resultados obtidos ainda não são a salvação dos veículos de notícias. Mas, de longe, posso dizer que resultados como esse (308 mil novos assinantes lendo o jornal em três meses) animam o mercado e o faz pensar de forma estratégica em como acompanhar, cada vez mais, seus atuais “clientes”.
É a mágica em ter um serviço de alto valor agregado, alinhado a uma estratégia para receber pagamentos online.
O leite não é mais entregue na porta de casa, mas pode receber as notícias na sua casa e, então, pôde continuar consumindo elas periodicamente. Onde está a diferença nesses dois produtos que lá atrás já eram recorrentes?
A diferença está em: há quem continue oferecendo notícia e – de certa forma – quem ainda disponibiliza o leite. Mas, a notícia é entregue disponibilizando cobrança recorrente. No leite, não. Tudo é uma questão de acompanhar as mudanças de comportamento no consumo e entregar o que seu cliente quer. 
Fica aí um vídeo que mostra o que eu estou falando. 😉

Até mais! =)

Continue Reading

Conheça a Vindi

cobranca recorrente

cobrança reccorente

Trending